O sistema vascular

O sistema vascular permite que o sangue circule e transporte nutrientes, oxigênio, dióxido de carbono, hormônios e células sanguíneas e fluidos pelo corpo.

Feet of a man pushing a bicycle

Sistema venoso

Movimento é essencial

Sistema linfático

O sistema cardiovascular é um sistema orgânico responsável pela circulação do sangue e pelo transporte de oxigênio, dióxido de carbono, nutrientes, hormônios, células sanguíneas e fluido por todo o corpo.

Esse sistema inclui o sistema arterial, que transporta sangue oxigenado via artérias e capilares do coração para todas as partes do corpo, e o sistema vascular (venoso), que transporta o sangue desoxigenado pelas veias de volta ao coração.

Além disso, o sistema vascular inclui o sistema linfático, que é uma rede de vasos linfáticos que transporta o fluido linfático em direção ao coração, eliminando assim do corpo os produtos residuais, as toxinas e materiais dispensáveis.  

O sistema venoso

Um adulto de altura média bombeia cerca de 4 a 6 litros de sangue através do corpo quase 1.500 vezes por dia. Assim, com aproximadamente 7 mil litros de sangue que precisam ser retornados ao coração todos os dias, o sistema venoso tem um trabalho difícil, especialmente porque precisa superar a força da gravidade para bombear o sangue para cima.

Anatomia do sistema venoso: veias superficiais e profundas

No sistema venoso, diferenciamos o sistema venoso superficial do profundo. O sistema venoso superficial representa apenas 10% do sistema venoso e pode ser descrito como uma rede de veias menores localizadas principalmente na camada de tecido subcutâneo, entre a pele e os músculos. O sistema venoso profundo, localizado dentro do tecido muscular, é responsável pelo transporte de aproximadamente 90% do sangue, com a ajuda dos músculos circundantes,  das extremidades para o coração.

Como as veias superficiais não são diretamente circundadas pelos músculos, o sangue não pode ser movido por meio da contração muscular, contando para isso com as veias perfurantes (ou veias conectoras). Elas conectam o sistema de veias superficiais ao sistema de veias profundas, permitindo que o sangue drene das veias superficiais para o sistema de veias profundas.

Sistema de bomba muscular de perna e válvulas das veias

Devido à diminuição da pressão arterial nos vasos mais distais, os mecanismos mais importantes no transporte do sangue contra a gravidade para o coração nas extremidades inferiores são o sistema de bomba muscular da perna (por exemplo, bomba muscular do pé, bomba muscular da panturrilha, bomba gastrocnêmica e bomba da coxa) e as válvulas venosas.

A bomba muscular promove o transporte de sangue para o coração

Quando andamos, os músculos da perna se contraem e relaxam repetidamente. Toda vez que esses músculos se contraem, comprimem as veias do sistema venoso profundo das pernas, promovendo o transporte de sangue para o coração.

As válvulas das veias fecham para evitar que o sangue flua no sentido inverso

A bomba muscular da panturrilha é a bomba muscular mais potente do sistema de bombas musculares da perna. As veias são equipadas em forma de válvulas crescentes das veias, dividindo os vasos em segmentos menores. As válvulas venosas consistem em dois retalhos de tecido elástico em forma de U que se abrem assim que os músculos se contraem, forçando a passagem do sangue para o próximo segmento. Se a bomba muscular estiver em repouso e a pressão nas veias for reduzida, ela cria um refluxo de sangue que preenche as válvulas em forma de U, fechando-as com firmeza. Quando as válvulas intactas das veias se fecham, formando uma barreira física, elas impedem que o sangue flua no sentido inverso.

Medical infographic on the function of the leg muscle pump

Os músculos da panturrilha comprimem as veias profundas para bombear o sangue para o coração. O retorno de sangue para as válvulas em forma de U as fecha, impedindo que o sangue flua no sentido inverso.

Por que o movimento é essencial para as veias

O sistema de bombas musculares da perna, incluindo a bomba muscular da panturrilha, só é ativado quando você usa seus músculos. O sistema de bombas musculares está ativo sempre que os músculos da perna e dos pés estiverem funcionando, como por exemplo, enquanto a pessoa caminha ou corre. Movimentar suas pernas mantém as bombas musculares trabalhando para garantir uma boa circulação sanguínea nas pernas.

Permanecer em pé ou sentado constantemente impede o fluxo de sangue para o coração. Sob certas circunstâncias, isso pode levar à insuficiência venosa, que é caracterizada pelo funcionamento incorreto das válvulas das veias, interferindo no retorno venoso e fazendo com que o sangue se acumule nas veias. A insuficiência venosa pode ser o ponto de partida de diferentes distúrbios venosos, incluindo teleangiectasias ou veias varicosas, mas também distúrbios venosos mais graves, como edema, alterações da pele e  ulcerações.

O sistema linfático

O sistema linfático é uma grande rede de vasos e gânglios linfáticos que desempenha um papel importante no transporte de fluido linfático, na função imunológica, na homeostase dos fluidos e na limpeza e filtragem do sangue.

O sistema linfático é a nossa unidade de "eliminação e reciclagem de resíduos". Transporta resíduos e toxinas para fora do corpo. Os resíduos corporais incluem proteínas, produtos de decomposição metabólica, produtos inflamatórios e gordura da cavidade abdominal.

Os vasos linfáticos, que estão espalhados pelo corpo como uma rede, carregam um fluido claro chamado de linfa em direção ao ducto torácico, que drena para a circulação sanguínea nas junções venosas-linfáticas no pescoço. A linfa é formada a partir do fluido que filtra de fora da circulação sanguínea para o interstício, sendo absorvido pelos seios linfáticos abertos. A linfa consiste de líquido intersticial, proteínas (menores que a albumina), fibrinogênio e outros fatores de coagulação, pequenas moléculas e íons do soro e do interstício, leucócitos, imunoglobulinas, gordura na forma de quilomícrons, detritos celulares, resíduos e bactérias.

 

O sistema linfático é responsável pela maior parte da absorção de líquidos dos espaços intersticiais. A coleta de fluido é realizada inicialmente pelos gânglios linfáticos, que são vasos revestidos de epitélio com extremidades cegas contendo aberturas fenestradas que permitem a entrada de fluidos e partículas tão grandes quanto células ou proteínas menores do que a albumina. Os fluidos são então sugados e pressionados pelos pré-coletores linfáticos. Os coletores linfáticos e os vasos linfáticos continuamente maiores têm um sistema de válvula linfática e linfangiomas (por exemplo, unidades aumentadas com células musculares lisas entre dois vasos linfáticos).

Através da contração ativa dos angiomas linfáticos e pela restrição do refluxo da linfa devido aos vales linfáticos, a linfa é transportada na direção proximal através dos vasos linfáticos e dos linfonodos. Centenas de gânglios linfáticos estão localizados dentro do corpo humano (por exemplo, em torno do pescoço, do trato intestinal ou na região da axila ou da virilha) e são responsáveis pela remoção de detritos, regulação do conteúdo proteico da linfa, resposta imune, recirculação de linfócitos e reabsorção de água (aproximadamente 5–8 litros por dia).

Todos os dias, o sistema linfático ocupa aproximadamente 10 litros de líquido intersticial. O linfedema pode se desenvolver se a drenagem linfática for interrompida, prejudicada ou se a secreção de líquido no tecido intersticial exceder a capacidade de captação do sistema linfático.

Leitura adicional